Skip navigation

Mais sobre testes cegos (blind test)

Tenho recebido alguns comentários e perguntas sobre minha posição sobre testes cegos (blind test) depois do post sobre a cerveja Kaiser (aqui). Não imaginava que o assunto gerasse tanta emoção, mas como aparentemente o faz, vou tentar explicar um pouco mais. Alias, vou fazer em formato de pergunta e resposta pra mudar um pouco o esquema.

Você acha que teste cego NUNCA funciona?

Não! Já participei de vários projetos que continham testes cegos. Teste cego é uma ótima ferramenta para desenvolvimento de produto. O pessoal de pesquisa e desenvolvimento geralmente está focado em atributos de produto, desempenho, superioridade funcional, etc. Portanto neste caso, faz muito sentido usar teste cego.

E quando você não acredita em teste cego?

Não acho que teste cego em propaganda para consumidor seja a melhor estratégia.

Por quê?

  1. Teste cego pressupõe que o consumidor é burro. A marca diz: “olha, você [consumidor] diz que prefere a marca X. Que ela é a melhor, a mais gostosa. Mas na verdade, você é um estúpido que está se enganando só por causa do nome. Você é uma maria-vai-com-as-outras. Quando eu tiro o nome do produto, você na verdade prefere outro.” Claro que o consumidor não racionaliza desta forma, mas de alguma forma, esse pensamento se forma e gera associações negativas.
  2. Ele pressupõe que a marca que faz o teste cego é incompetente. Tipo “você [fabricante] quer dizer que seu produto é melhor que seu concorrente [de acordo com você claro], mas eu [consumidor] não gosto porque esta marca é um mico? E porque a marca é um mico??? Ah, porque você fez um péssimo trabalho de marketing ao longo do tempo????” Alias, você deve ser bem ruim, porque conseguiu transformar um produto superior em marca mico!!! Ou seja, você é um perdedor. E sabe quem gosta de perdedores?? Exato….ninguém.
  3. Ele tenta ganhar consumidores do líder via “prova de superioridade”. Isso, normalmente é uma estratégia sem sucesso quando não se tem grandes novidades de produto e/ou posicionamento. Isso porque normalmente gera o seguinte pensamento no consumidor “se você é tão melhor, porque não é o líder?”, o que gera um segundo pensamento “então, esse teste não vale nada”. E bem, se você tem grandes novidades de produto e/ou posicionamento, então não precisa de teste cego.

Claro que uma marca que coloca uma tonelada de GRPs (variável de medição mídia) em uma propaganda de TV não-bizarra vai ganhar algo em participação de mercado no curto prazo, mas é uma estratégia que não é sustentável e logo logo afunda.

Podia escrever mais, mas já o post está longo demais. Espero que tenha dado para esclarecer um pouco meu ponto de vista.

Comente

Required fields are marked *
*
*

%d blogueiros gostam disto: